domingo, 13 de maio de 2007

A origem do automóvel e das montadoras

Uma das principais paixões do brasileiro, o carro, surgiu bem antes de sua chegada ao Brasil. O primeiro modelo data de 1885 e, junto com ele, vieram vários sonhadores que deram origem a conhecidas montadoras do nosso tempo. A Europa e a América do Norte foram os primeiros continentes a despontarem rumo à tecnologia de autos, graças a verdadeiros sonhadores, que já anteviam o sucesso que a invenção significaria.

Os testes foram muitos. Depois dos primeiro meios de locomoção, como a bicicleta, as charretes e "embriões" de veículos, o primeiro automóvel motorizado, movido a gasolina, foi o Benz Patent Motorwagen, criado por Karl Benz, na Alemanha. Ele possuía dois lugares e alcançava a velocidade máxima de 13 km/h, muito aquém da velocidade dos veículos nos dias de hoje. Para se ter uma idéia, um ciclista, hoje, alcança numa competição a velocidade média de 30 km/h. Com desenho bastante arcaico, ele era completamente aberto em cima e tinha arquitetura simples. A Europa e o mundo tinham seu primeiro modelo. Vários carros surgiram em seguida, utilizando a mesma tecnologia da época, sem evoluções significativas. Várias outras marcas e empresas foram aparecendo em seguida.

A Peugeot surge em 1882 construindo bicicletas. Em seguida começa a construção de ferramentas e acessórios - a "marca do Leão" começa a ficar conhecida na França. O primeiro carro da marca é de 1890, já com motor de dois cilindros em V, fabricado pela Daimler, e caixa de duas velocidades. Muito longe dos modelos de hoje, ele apresentava 1 cavalo a cada 1000 rpm. O peso era de 500 quilos. Só em 1897, a Peugeot produz seu primeiro veículo com tecnologia 100% da marca, chamado Modelo 15.

Outra curiosidade da Peugeot é a relação dela com Santos Dummont, o inventor do avião. Ele trouxe em 1898 o modelo Vis-a-Vis ao Brasil, que "inaugurou" a caminhada da marca no País.

A produção da Peugeot cresceu com o passar dos anos e alcançou 500 unidades em 1900. O Modelo 36 foi o primeiro a ter motor na frente, capô e um volante.Bébé Peugeot chega em 1905 com preço mais acessível à população. A partir daí, em 1929, a Peugeot começa a adotar os três algarismos com o Modelo 201. O primeiro algarismo diz respeito ao tamanho do carro e o último à cronologia do veículo. O número do meio é a articulação entre os outros dois algarismos.

Outra francesa desponta nessa primeira época: a Renault, em 24 de dezembro de 1898. O inventor, Luis Renault, começou com o desafio de dirigir seu Tipo A Voiturette sobre a rua Lepic, em Montmartre, na cidade de Paris. A partir daí sua paixão começa a virar realidade, quando uma empresa de táxi faz o primeiro pedido de 250 unidades, em 1905. A empresa adota o "diamante" com símbolo em 1925.

Nesse período, em que se desenvolvia a Renault, a Europa e a América do Norte começavam a acompanhar o nascimento de outras marcas que também marcariam a história, como a Cadillac, a Rolls-Royce, a General Motors, a Audi, a BMW, a Bentley, a Citroën, a Bugatti, a Alfa Romeo, a Fiat, a Ford e a Mercedes-Benz. Cada uma com sua particularidade e sua maneira de criar o mesmo produto: a nova paixão mundial, o automóvel.

A Fiat surge no mesmo ano que a Renault, em 1899, fundada por grupo de empresários turineses, formado por Giovanni Agnelli, Ludovico Scarfiotti e Conde Emannuele Bricherasio di Cacherano. O primeiro modelo da marca foi o 3 1/2HP, quando tinha apenas 35 empregados. Em 1901 surge o 8HP, já com volante circular em vez de guidão. Dois anos depois, o 24HP já chega com quatro marchas, com capacidade para 6 passageiros, alcançando 70 km/h - velocidade alta para a época.

1912 a Fiat produz o Zero, modelo com preço mais acessível, com 15 cavalos. O modelo 503 surge como o primeiro veículo com carroceria mista - madeira e metal - alcançando 42 mil unidades produzidas, no ano de 1926.

O nome da Fiat foi oficializado em 1904, antes disso era usado o nome completo da empresa: Fabbrica Italiana Automobili Torino (Fábrica Italiana de Automóveis de Turim). A marca começou, em 1912, a produzir também caminhões, tratores, aviões e motores navais.

Em 1899, junto com Renault e Fiat, aparece também a Opel - quando os irmãos Opel adquirem uma fábrica, até então de posse de Friedrich Lutzmann. A Cadillac, três anos depois, desponta com um modelo monocilíndrico, que possuía estrutura alta, devido às péssimas condições das estradas da época. Ele tinha 10 cavalos e alcançava 50 km/h. O modelo gerou encomenda de 2.200 unidades, alcançando 16.000 unidades produzidas em 1908. A partir daí, foi adquirida pela General Motors.

compradora da Cadillac, a General Motors, aparece nos Estados Unidos em 1908, no dia 16 de setembro. A empresa, já no início, adquiriu várias outras marcas, como a Oldsmobile, a Pontiac e a Chevrolet. Em 1930 a GM já somava 30 empresas. Assim, a história da GM mistura-se com o início destas montadoras até a criação da GM Truck Company, em 1911. Nas décadas de 20 e 30 a montadora começa a migrar para a Europa, até então centro das principais marcas. A empresa adquire também a Yellow Coach, que produzia na época os "carros amarelos" americanos, na década de 1920.

A Mercedez-Benz é outra marca que nasce nesta primeira fase da indústria automotiva, a partir da união de Gottlieb Daimler e Karl Benz, que juntos deram início à construção do primeiro modelo. Da marca saíram os primeiros ônibus e caminhão com motor a gasolina e a diesel do mundo.

O nome Mercedes é da filha de Emil Jellinek, que comprava carros da Daimler para participar de corridas. Ao escolher um nome para o veículo, ele decide homenagear a filha, chamando o carro de Mercedes, que significa "graça". A partir dos resultados, o "Mercedes" passa a ser conhecido na Europa.

O símbolo da marca, a estrela de três pontas, marca a triplicidade de atividades da montadora - terra, água e ar. O logotipo passa a ser usado a partir de 1909, depois que Gottlieb Daimler morre e deixa uma estrela desenhada em um postal, com os dizeres "um dia essa estrela brilhará sobre minha obra".

A Ford, outra grande empresa, surge em Detroit, no ano de 1903, com capital inicial de apenas US$ 28 mil. O primeiro automóvel da marca é o Modelo A, que teve 1.708 unidades produzidas. A primeira fábrica foi criada em São Francisco, já com exportações para a Grã-Bretanha. A Ford foi a primeira empresa do continente americano a ter uma fábrica fora da América, em 1908, quando a montadora instalou-se em Paris. Nessa época, o primeiro grande sucesso da marca aparece: o Ford T. Foi o primeiro modelo que deu um salto evolutivo no visual, na tecnologia e na amplitude. Desenhado por Henry Ford, ele teve produção de 1908 até 1927, rompendo fronteiras e popularizando o automóvel. Tamanha foi sua importância que o T foi escolhido como o carro do século XX.

O Ford T surgiu nos Estados Unidos e começou a ser produzido na linha de montagem e produção em série, fato que revolucionou a época como o primeiro carro de manufatura. No lançamento, nos EUA, seu preço era de US$ 850, passando para US$ 290 no final de sua fabricação, em 1927. Ele era totalmente de madeira com bancos forrados de veludo. A engenharia era, no mínimo, curiosa, já que se acreditava que freios dianteiros poderiam capotar o veículo. Assim, os freios a tambor acionados por varão eram exclusividade das rodas traseiras. O motor tinha 17 cavalos e o veículo alcançava a velocidade de 55 km/h. O conforto ainda estava engatinhando na primeira grande estrela do setor. O Ford T oferecia como opcionais a buzina e o farol auxiliar do motorista, elétrico, com controle interno. Para abastecer, o usuário tinha que levantar o assento do passageiro, fato impossível de se imaginar nos dias de hoje.

O modelo teve mais de 15 milhões de unidades vendidas, entre América, Europa e China, e foi sucesso mundial da marca, que só veio a ter outro modelo com tanto sucesso com a chegada do Corcel, 40 anos depois. Em 1926, a Ford já inicia a implantação de uma linha de montagem em Porto Alegre, RS.

A época do surgimento das grandes montadoras não pára por aí. A Audi foi outra que surgiu neste período, mais precisamente em 1909, iniciando as vendas no ano seguinte. A Audi começou com o Audi Typ A, em 1910, com motor de quatro cilindros. Três anos depois chegava o Audi Typ C, de 35 cavalos com motor 3.5. Em 1921 a empresa traz o Typ K, 3.5 de quatro cilindros. Em 1927 o Typ R chega com motor 4.9 de oito cilindros, o primeiro com essas características. O logo da Audi, com os quatro anéis, significa a união entre quatro empresas de motores: a Audi, a DKW, a Horch e a Wanderer.

A Bugatti, criada também em 1909, a exemplo da Audi, exibiu o Type 35, maior vencedor de corridas de todos os tempos. A Rolls-Royce surge em 1906, um pouco antes da Audi e da Bugatti, criada por Frederick Henry Royce e Charles Stewart Rolls, no dia 15 de março. Ela já chega com o modelo Silver Ghost, no mesmo ano. A fábrica começou a se caracterizar pela produção de carros de luxo e durante duas décadas 6.000 unidades da marca foram compradas por consumidores ricos.

Na Itália, a Maserati é criada em 1914, ao final da Primeira Guerra Mundial, por Alfieri, Ettore, Bindo e Ernesto Maserati. A empresa começou a desenvolver carros, motores e velas de ignição e foi, posteriormente, adquirida pela Ferrari, que surgiria anos depois.

Ainda na Itália, em 1910, é criada a Alfa (Anônima Lombarda Fabbrica Automobili), com produção de veículos com destaque para a dirigibilidade. Os primeiros veículos marcantes aparecem dez anos depois. São os de 20-30 HPs. Eles apresentavam 4 cilindros em linha e 42 cavalos, com 115 km/h. Em 1915 quem assume a empresa é Nicola Romeo, que inicia a produção de veículos militares.

A partir daí surge a Alfa Romeo e o emblema, a Serpente Visconti em um fundo azul e uma cruz vermelha em um fundo branco, envolvidos por um círculo metálico.

A BMW (Bayerische Motoren Werke - em português: Fábrica de Motores da Baviera) é outra que teve início nessa onda das primeiras montadoras, em 1913, por Karl Friedrich Rapp, com o intuito de construir motores de avião. Mas após a Segunda Guerra Mundial voltou-se para a produção de automóveis. O símbolo da marca, um círculo dividido em quatro partes por duas linhas, uma horizontal e outra vertical, com os quadrantes preenchidos pelas cores azul e branco, fazem referência à bandeira da Bavária. A marca já cresceu com forte alusão a esportes, em motos e veículos.

Um pouco depois, a Mitsubishi surge no Japão, com o primeiro modelo em 1917, o Modelo A, carro de produção para passageiros.

Ainda pela Europa, não foram somente a Renault e a Peugeot que começaram a produzir a nova "febre mundial" na França. A Citroën tem início quase duas décadas depois, em 1919, com André Citroën, e teve o primeiro modelo naquele ano, o Type A Torpedo, com 4 lugares e 10 cavalos de potência. O modelo teve produção de 24.093 unidades. Em seguida chegava o Modelo B2 Torpedo, de 4 lugares. Entre 1921 e 1928 chegam o B2, B10, B12, B14 e B18. No mesmo ano do aparecimento da Citroën, surge a Bentley Motors Limited, uma montadora britânica de carros de luxo e grand tourers, fundada por Walter Owen Bentley.

A Chrysler surge com Walter P. Chrysler, com ponto forte em avanços tecnológicos e liderança no design. Ele aplica novos conceitos de carros de passeio em 1924 e traz o Chrysler Six, o primeiro da marca, que apresentava motor de 6 cilindros e freios hidráulicos nas quatro rodas de série.

A Dodge pertence à Chrysler desde 1928, quando a Dodge Brohters uniu-se à Chrysler Corporation. A marca teve início com os irmãos John e Horace Dodge, que decidiram realizar uma "construção diferente". Eles iniciaram com a produção de peças em 1914. Um pouco depois, na Suécia, começa a aparecer uma empresa de caminhões, a Volvo. Fundada por Assar Gabrielsson e Gustaf Larson, a empresa posteriormente começaria também a produção de automóveis.

Tudo isso vem comprovar a importância da "primeira fase" do automóvel, que compreende os anos de 1885 a 1927. Ela está repleta de histórias, lendas e vários personagens que participaram direta ou indiretamente da formação das grandes marcas conhecidas pelo mundo nos dias de hoje.

A paixão pelo automóvel apareceu de forma simples, impulsionada por pessoas que vislumbravam um futuro de mais tecnologia e comodidade. Depois desses anos, várias outras montadoras importantes surgiram, vários modelos famosos apareceram e a criatividade começou a parecer cada vez mais como DNA de cada marca, de cada grupo de fanáticos por automóvel. Mas isso já é outro assunto.

Nenhum comentário:

Uma das principais paixões do brasileiro, o carro, surgiu bem antes de sua chegada ao Brasil. O primeiro modelo data de 1885 e, junto com ele, vieram vários sonhadores que deram origem a conhecidas montadoras do nosso tempo. A Europa e a América do Norte foram os primeiros continentes a despontarem rumo à tecnologia de autos, graças a verdadeiros sonhadores, que já anteviam o sucesso que a invenção significaria.

Os testes foram muitos. Depois dos primeiro meios de locomoção, como a bicicleta, as charretes e "embriões" de veículos, o primeiro automóvel motorizado, movido a gasolina, foi o Benz Patent Motorwagen, criado por Karl Benz, na Alemanha. Ele possuía dois lugares e alcançava a velocidade máxima de 13 km/h, muito aquém da velocidade dos veículos nos dias de hoje. Para se ter uma idéia, um ciclista, hoje, alcança numa competição a velocidade média de 30 km/h. Com desenho bastante arcaico, ele era completamente aberto em cima e tinha arquitetura simples. A Europa e o mundo tinham seu primeiro modelo. Vários carros surgiram em seguida, utilizando a mesma tecnologia da época, sem evoluções significativas. Várias outras marcas e empresas foram aparecendo em seguida.

A Peugeot surge em 1882 construindo bicicletas. Em seguida começa a construção de ferramentas e acessórios - a "marca do Leão" começa a ficar conhecida na França. O primeiro carro da marca é de 1890, já com motor de dois cilindros em V, fabricado pela Daimler, e caixa de duas velocidades. Muito longe dos modelos de hoje, ele apresentava 1 cavalo a cada 1000 rpm. O peso era de 500 quilos. Só em 1897, a Peugeot produz seu primeiro veículo com tecnologia 100% da marca, chamado Modelo 15.

Outra curiosidade da Peugeot é a relação dela com Santos Dummont, o inventor do avião. Ele trouxe em 1898 o modelo Vis-a-Vis ao Brasil, que "inaugurou" a caminhada da marca no País.

A produção da Peugeot cresceu com o passar dos anos e alcançou 500 unidades em 1900. O Modelo 36 foi o primeiro a ter motor na frente, capô e um volante.Bébé Peugeot chega em 1905 com preço mais acessível à população. A partir daí, em 1929, a Peugeot começa a adotar os três algarismos com o Modelo 201. O primeiro algarismo diz respeito ao tamanho do carro e o último à cronologia do veículo. O número do meio é a articulação entre os outros dois algarismos.

Outra francesa desponta nessa primeira época: a Renault, em 24 de dezembro de 1898. O inventor, Luis Renault, começou com o desafio de dirigir seu Tipo A Voiturette sobre a rua Lepic, em Montmartre, na cidade de Paris. A partir daí sua paixão começa a virar realidade, quando uma empresa de táxi faz o primeiro pedido de 250 unidades, em 1905. A empresa adota o "diamante" com símbolo em 1925.

Nesse período, em que se desenvolvia a Renault, a Europa e a América do Norte começavam a acompanhar o nascimento de outras marcas que também marcariam a história, como a Cadillac, a Rolls-Royce, a General Motors, a Audi, a BMW, a Bentley, a Citroën, a Bugatti, a Alfa Romeo, a Fiat, a Ford e a Mercedes-Benz. Cada uma com sua particularidade e sua maneira de criar o mesmo produto: a nova paixão mundial, o automóvel.

A Fiat surge no mesmo ano que a Renault, em 1899, fundada por grupo de empresários turineses, formado por Giovanni Agnelli, Ludovico Scarfiotti e Conde Emannuele Bricherasio di Cacherano. O primeiro modelo da marca foi o 3 1/2HP, quando tinha apenas 35 empregados. Em 1901 surge o 8HP, já com volante circular em vez de guidão. Dois anos depois, o 24HP já chega com quatro marchas, com capacidade para 6 passageiros, alcançando 70 km/h - velocidade alta para a época.

1912 a Fiat produz o Zero, modelo com preço mais acessível, com 15 cavalos. O modelo 503 surge como o primeiro veículo com carroceria mista - madeira e metal - alcançando 42 mil unidades produzidas, no ano de 1926.

O nome da Fiat foi oficializado em 1904, antes disso era usado o nome completo da empresa: Fabbrica Italiana Automobili Torino (Fábrica Italiana de Automóveis de Turim). A marca começou, em 1912, a produzir também caminhões, tratores, aviões e motores navais.

Em 1899, junto com Renault e Fiat, aparece também a Opel - quando os irmãos Opel adquirem uma fábrica, até então de posse de Friedrich Lutzmann. A Cadillac, três anos depois, desponta com um modelo monocilíndrico, que possuía estrutura alta, devido às péssimas condições das estradas da época. Ele tinha 10 cavalos e alcançava 50 km/h. O modelo gerou encomenda de 2.200 unidades, alcançando 16.000 unidades produzidas em 1908. A partir daí, foi adquirida pela General Motors.

compradora da Cadillac, a General Motors, aparece nos Estados Unidos em 1908, no dia 16 de setembro. A empresa, já no início, adquiriu várias outras marcas, como a Oldsmobile, a Pontiac e a Chevrolet. Em 1930 a GM já somava 30 empresas. Assim, a história da GM mistura-se com o início destas montadoras até a criação da GM Truck Company, em 1911. Nas décadas de 20 e 30 a montadora começa a migrar para a Europa, até então centro das principais marcas. A empresa adquire também a Yellow Coach, que produzia na época os "carros amarelos" americanos, na década de 1920.

A Mercedez-Benz é outra marca que nasce nesta primeira fase da indústria automotiva, a partir da união de Gottlieb Daimler e Karl Benz, que juntos deram início à construção do primeiro modelo. Da marca saíram os primeiros ônibus e caminhão com motor a gasolina e a diesel do mundo.

O nome Mercedes é da filha de Emil Jellinek, que comprava carros da Daimler para participar de corridas. Ao escolher um nome para o veículo, ele decide homenagear a filha, chamando o carro de Mercedes, que significa "graça". A partir dos resultados, o "Mercedes" passa a ser conhecido na Europa.

O símbolo da marca, a estrela de três pontas, marca a triplicidade de atividades da montadora - terra, água e ar. O logotipo passa a ser usado a partir de 1909, depois que Gottlieb Daimler morre e deixa uma estrela desenhada em um postal, com os dizeres "um dia essa estrela brilhará sobre minha obra".

A Ford, outra grande empresa, surge em Detroit, no ano de 1903, com capital inicial de apenas US$ 28 mil. O primeiro automóvel da marca é o Modelo A, que teve 1.708 unidades produzidas. A primeira fábrica foi criada em São Francisco, já com exportações para a Grã-Bretanha. A Ford foi a primeira empresa do continente americano a ter uma fábrica fora da América, em 1908, quando a montadora instalou-se em Paris. Nessa época, o primeiro grande sucesso da marca aparece: o Ford T. Foi o primeiro modelo que deu um salto evolutivo no visual, na tecnologia e na amplitude. Desenhado por Henry Ford, ele teve produção de 1908 até 1927, rompendo fronteiras e popularizando o automóvel. Tamanha foi sua importância que o T foi escolhido como o carro do século XX.

O Ford T surgiu nos Estados Unidos e começou a ser produzido na linha de montagem e produção em série, fato que revolucionou a época como o primeiro carro de manufatura. No lançamento, nos EUA, seu preço era de US$ 850, passando para US$ 290 no final de sua fabricação, em 1927. Ele era totalmente de madeira com bancos forrados de veludo. A engenharia era, no mínimo, curiosa, já que se acreditava que freios dianteiros poderiam capotar o veículo. Assim, os freios a tambor acionados por varão eram exclusividade das rodas traseiras. O motor tinha 17 cavalos e o veículo alcançava a velocidade de 55 km/h. O conforto ainda estava engatinhando na primeira grande estrela do setor. O Ford T oferecia como opcionais a buzina e o farol auxiliar do motorista, elétrico, com controle interno. Para abastecer, o usuário tinha que levantar o assento do passageiro, fato impossível de se imaginar nos dias de hoje.

O modelo teve mais de 15 milhões de unidades vendidas, entre América, Europa e China, e foi sucesso mundial da marca, que só veio a ter outro modelo com tanto sucesso com a chegada do Corcel, 40 anos depois. Em 1926, a Ford já inicia a implantação de uma linha de montagem em Porto Alegre, RS.

A época do surgimento das grandes montadoras não pára por aí. A Audi foi outra que surgiu neste período, mais precisamente em 1909, iniciando as vendas no ano seguinte. A Audi começou com o Audi Typ A, em 1910, com motor de quatro cilindros. Três anos depois chegava o Audi Typ C, de 35 cavalos com motor 3.5. Em 1921 a empresa traz o Typ K, 3.5 de quatro cilindros. Em 1927 o Typ R chega com motor 4.9 de oito cilindros, o primeiro com essas características. O logo da Audi, com os quatro anéis, significa a união entre quatro empresas de motores: a Audi, a DKW, a Horch e a Wanderer.

A Bugatti, criada também em 1909, a exemplo da Audi, exibiu o Type 35, maior vencedor de corridas de todos os tempos. A Rolls-Royce surge em 1906, um pouco antes da Audi e da Bugatti, criada por Frederick Henry Royce e Charles Stewart Rolls, no dia 15 de março. Ela já chega com o modelo Silver Ghost, no mesmo ano. A fábrica começou a se caracterizar pela produção de carros de luxo e durante duas décadas 6.000 unidades da marca foram compradas por consumidores ricos.

Na Itália, a Maserati é criada em 1914, ao final da Primeira Guerra Mundial, por Alfieri, Ettore, Bindo e Ernesto Maserati. A empresa começou a desenvolver carros, motores e velas de ignição e foi, posteriormente, adquirida pela Ferrari, que surgiria anos depois.

Ainda na Itália, em 1910, é criada a Alfa (Anônima Lombarda Fabbrica Automobili), com produção de veículos com destaque para a dirigibilidade. Os primeiros veículos marcantes aparecem dez anos depois. São os de 20-30 HPs. Eles apresentavam 4 cilindros em linha e 42 cavalos, com 115 km/h. Em 1915 quem assume a empresa é Nicola Romeo, que inicia a produção de veículos militares.

A partir daí surge a Alfa Romeo e o emblema, a Serpente Visconti em um fundo azul e uma cruz vermelha em um fundo branco, envolvidos por um círculo metálico.

A BMW (Bayerische Motoren Werke - em português: Fábrica de Motores da Baviera) é outra que teve início nessa onda das primeiras montadoras, em 1913, por Karl Friedrich Rapp, com o intuito de construir motores de avião. Mas após a Segunda Guerra Mundial voltou-se para a produção de automóveis. O símbolo da marca, um círculo dividido em quatro partes por duas linhas, uma horizontal e outra vertical, com os quadrantes preenchidos pelas cores azul e branco, fazem referência à bandeira da Bavária. A marca já cresceu com forte alusão a esportes, em motos e veículos.

Um pouco depois, a Mitsubishi surge no Japão, com o primeiro modelo em 1917, o Modelo A, carro de produção para passageiros.

Ainda pela Europa, não foram somente a Renault e a Peugeot que começaram a produzir a nova "febre mundial" na França. A Citroën tem início quase duas décadas depois, em 1919, com André Citroën, e teve o primeiro modelo naquele ano, o Type A Torpedo, com 4 lugares e 10 cavalos de potência. O modelo teve produção de 24.093 unidades. Em seguida chegava o Modelo B2 Torpedo, de 4 lugares. Entre 1921 e 1928 chegam o B2, B10, B12, B14 e B18. No mesmo ano do aparecimento da Citroën, surge a Bentley Motors Limited, uma montadora britânica de carros de luxo e grand tourers, fundada por Walter Owen Bentley.

A Chrysler surge com Walter P. Chrysler, com ponto forte em avanços tecnológicos e liderança no design. Ele aplica novos conceitos de carros de passeio em 1924 e traz o Chrysler Six, o primeiro da marca, que apresentava motor de 6 cilindros e freios hidráulicos nas quatro rodas de série.

A Dodge pertence à Chrysler desde 1928, quando a Dodge Brohters uniu-se à Chrysler Corporation. A marca teve início com os irmãos John e Horace Dodge, que decidiram realizar uma "construção diferente". Eles iniciaram com a produção de peças em 1914. Um pouco depois, na Suécia, começa a aparecer uma empresa de caminhões, a Volvo. Fundada por Assar Gabrielsson e Gustaf Larson, a empresa posteriormente começaria também a produção de automóveis.

Tudo isso vem comprovar a importância da "primeira fase" do automóvel, que compreende os anos de 1885 a 1927. Ela está repleta de histórias, lendas e vários personagens que participaram direta ou indiretamente da formação das grandes marcas conhecidas pelo mundo nos dias de hoje.

A paixão pelo automóvel apareceu de forma simples, impulsionada por pessoas que vislumbravam um futuro de mais tecnologia e comodidade. Depois desses anos, várias outras montadoras importantes surgiram, vários modelos famosos apareceram e a criatividade começou a parecer cada vez mais como DNA de cada marca, de cada grupo de fanáticos por automóvel. Mas isso já é outro assunto.
Postado por Fred Guilhon Marcadores:

0 comentários: