quarta-feira, 29 de agosto de 2007

Família faz 'vaquinha' para pagar fiança do ex BBB caubói


O ex-BBB Rodrigo Leonel deve deixar a Delegacia Seccional de Barretos, onde está preso desde domingo (26), no início da tarde desta terça-feira (28), graças à ajuda de familiares. Segundo Adriano Ginesté, que junto com o pai, Toni, empresaria o "caubói", o ex-BBB não tinha os R$ 30 mil para pagar sua fiança. "Eles se reuniram (a família) para ajudar e chegar ao montante. O Rodrigo não tinha esse recurso agora", afirmou.

De acordo com o empresário, além dos pais, o caubói contou com a boa vontade da irmã e do irmão. Cada um contribuiu com a quantia que podia, como em uma "vaquinha". "A família ajudou a pagar. Não é um valor que se tem no bolso", disse.

Por volta das 13h30 desta terça-feira (28), os empresários do ex-BBB e o advogado dele, Antônio Roberto Sanches, chegaram ao Fórum de Barretos para depositar a fiança. Depois, para o ex-BBB sair da cadeia, faltará o alvará de soltura, que será expedido pelo cartório do Fórum.

Rodrigo Leonel, vencedor da segunda edição do programa de televisão “Big Brother Brasil”, em 2002, foi preso em flagrante por suspeita de estelionato e tentativa de homicídio na Festa do Peão de Barretos, no final da tarde do domingo.

Na segunda-feira (27), a ex-BBB Thaís Ventura, de 24 anos, que participou da segunda edição do programa em 2002 ao lado de Rodrigo Leonel e que namorou com ele por quatro anos (2002-2006), disse ao G1 que as acusações da polícia contra o caubói não combinam com a personalidade dele.

“Uma coisa desse tipo não combina com ele. Ele é uma pessoa tranqüila, cuida de animais. Não é nada do temperamento dele isso”, disse Thaís no início desta tarde. Ela contou que ficou sabendo da prisão de Leonel por amigos em comum.

Thaís disse que, apesar de o namoro com o caubói ter terminado há cerca de um ano e oito meses e de ela morar no Rio de Janeiro e ele em Ribeirão Preto (a 314 km de São Paulo), os dois ainda mantém contato. “Nos falamos por telefone com freqüência”.

A ex-BBB disse que não está preocupada porque acredita que Leonel "é muito homem" para admitir o erro, caso o tenha cometido. “E, se ele não tiver culpa, não vai ser supresa para mim e eu vou estar ao lado dele para ajudar, caso precise”, afirmou.

Prisão

Segundo a polícia, Leonel falsificou um adesivo que permitia a entrada no estacionamento da festa. Ele teria tentado ingressar na portaria do camping, já dentro do Parque do Peão, quando foi barrado. De acordo com informações da delegacia seccional, Leonel disse que “ninguém o impediria de entrar, porque o pessoal sabia quem ele era”.

O ex-BBB dirigia um Gol preto e teria acelerado o veículo forçando a entrada. O porteiro Leonardo Carvalho acabou atingido pelo carro. O ex-BBB foi autuado em flagrante e levado para a delegacia seccional de Barretos. O porteiro foi atendido no próprio Parque do Peão e seu estado de saúde não é grave.

O empresário de Rodrigo Leonel, Toni Gineste, informou nesta segunda que o ex-BBB foi ao Parque do Peão com o carro de uma amiga e, para entrar, pegou a liberação do carro dele. O porteiro tentou impedir a entrada e houve uma discussão. Depois disso, algumas pessoas entraram na frente do carro. Segundo Gineste, ele "não está preso, apenas detido".

Outras confusões


Antes de Leonel, outros ex-participantes do BBB já protagonizaram confusões e acabaram em delegacias.

Em 2004, o participante da quarta edição do BBB Edílson Buba foi preso em um aeroporto do Paraná com maconha e ecstasy. Ele ficou preso no no Centro de Observação e Triagem Criminológica (COTC), dentro do Complexo Penitenciário do Ahú, em Curitiba (PR). Buba foi solto depois de três meses.

Depois do episódio, ele criou a ONG "Vida Limpa, Vida Livre", dedicada à conscientização contra as drogas. Buba morreu em novembro do ano passado, em Curitiba, vítima de um câncer.

Dois ex-participantes do programa estiveram envolvidos em uma confusão em fevereiro deste ano dentro de uma boate. Kleber de Paula Pedra, de 29 anos, e Alan Marcelo Cavalcante, de 30 anos, foram levados para uma delegacia em Itajaí (SC).

Kleber, conhecido como Bambam, teria iniciado uma briga no banheiro da boate e acabou imobilizado pelos seguranças da casa. Alan teria tentado ajudar o amigo e também foi imobilizado. Os dois haviam sido contratados pela boate para animar uma festa de carnaval.

Ambos foram levados para a delegacia e autuados por perturbação do sossego. Os ex-BBBs também foram encaminhados para o Instituto Médico-Legal (IML) de Itajaí para a realização de exames de corpo de delito.

g1

Nenhum comentário:


O ex-BBB Rodrigo Leonel deve deixar a Delegacia Seccional de Barretos, onde está preso desde domingo (26), no início da tarde desta terça-feira (28), graças à ajuda de familiares. Segundo Adriano Ginesté, que junto com o pai, Toni, empresaria o "caubói", o ex-BBB não tinha os R$ 30 mil para pagar sua fiança. "Eles se reuniram (a família) para ajudar e chegar ao montante. O Rodrigo não tinha esse recurso agora", afirmou.

De acordo com o empresário, além dos pais, o caubói contou com a boa vontade da irmã e do irmão. Cada um contribuiu com a quantia que podia, como em uma "vaquinha". "A família ajudou a pagar. Não é um valor que se tem no bolso", disse.

Por volta das 13h30 desta terça-feira (28), os empresários do ex-BBB e o advogado dele, Antônio Roberto Sanches, chegaram ao Fórum de Barretos para depositar a fiança. Depois, para o ex-BBB sair da cadeia, faltará o alvará de soltura, que será expedido pelo cartório do Fórum.

Rodrigo Leonel, vencedor da segunda edição do programa de televisão “Big Brother Brasil”, em 2002, foi preso em flagrante por suspeita de estelionato e tentativa de homicídio na Festa do Peão de Barretos, no final da tarde do domingo.

Na segunda-feira (27), a ex-BBB Thaís Ventura, de 24 anos, que participou da segunda edição do programa em 2002 ao lado de Rodrigo Leonel e que namorou com ele por quatro anos (2002-2006), disse ao G1 que as acusações da polícia contra o caubói não combinam com a personalidade dele.

“Uma coisa desse tipo não combina com ele. Ele é uma pessoa tranqüila, cuida de animais. Não é nada do temperamento dele isso”, disse Thaís no início desta tarde. Ela contou que ficou sabendo da prisão de Leonel por amigos em comum.

Thaís disse que, apesar de o namoro com o caubói ter terminado há cerca de um ano e oito meses e de ela morar no Rio de Janeiro e ele em Ribeirão Preto (a 314 km de São Paulo), os dois ainda mantém contato. “Nos falamos por telefone com freqüência”.

A ex-BBB disse que não está preocupada porque acredita que Leonel "é muito homem" para admitir o erro, caso o tenha cometido. “E, se ele não tiver culpa, não vai ser supresa para mim e eu vou estar ao lado dele para ajudar, caso precise”, afirmou.

Prisão

Segundo a polícia, Leonel falsificou um adesivo que permitia a entrada no estacionamento da festa. Ele teria tentado ingressar na portaria do camping, já dentro do Parque do Peão, quando foi barrado. De acordo com informações da delegacia seccional, Leonel disse que “ninguém o impediria de entrar, porque o pessoal sabia quem ele era”.

O ex-BBB dirigia um Gol preto e teria acelerado o veículo forçando a entrada. O porteiro Leonardo Carvalho acabou atingido pelo carro. O ex-BBB foi autuado em flagrante e levado para a delegacia seccional de Barretos. O porteiro foi atendido no próprio Parque do Peão e seu estado de saúde não é grave.

O empresário de Rodrigo Leonel, Toni Gineste, informou nesta segunda que o ex-BBB foi ao Parque do Peão com o carro de uma amiga e, para entrar, pegou a liberação do carro dele. O porteiro tentou impedir a entrada e houve uma discussão. Depois disso, algumas pessoas entraram na frente do carro. Segundo Gineste, ele "não está preso, apenas detido".

Outras confusões


Antes de Leonel, outros ex-participantes do BBB já protagonizaram confusões e acabaram em delegacias.

Em 2004, o participante da quarta edição do BBB Edílson Buba foi preso em um aeroporto do Paraná com maconha e ecstasy. Ele ficou preso no no Centro de Observação e Triagem Criminológica (COTC), dentro do Complexo Penitenciário do Ahú, em Curitiba (PR). Buba foi solto depois de três meses.

Depois do episódio, ele criou a ONG "Vida Limpa, Vida Livre", dedicada à conscientização contra as drogas. Buba morreu em novembro do ano passado, em Curitiba, vítima de um câncer.

Dois ex-participantes do programa estiveram envolvidos em uma confusão em fevereiro deste ano dentro de uma boate. Kleber de Paula Pedra, de 29 anos, e Alan Marcelo Cavalcante, de 30 anos, foram levados para uma delegacia em Itajaí (SC).

Kleber, conhecido como Bambam, teria iniciado uma briga no banheiro da boate e acabou imobilizado pelos seguranças da casa. Alan teria tentado ajudar o amigo e também foi imobilizado. Os dois haviam sido contratados pela boate para animar uma festa de carnaval.

Ambos foram levados para a delegacia e autuados por perturbação do sossego. Os ex-BBBs também foram encaminhados para o Instituto Médico-Legal (IML) de Itajaí para a realização de exames de corpo de delito.

g1

Postado por Fred Guilhon Marcadores: , ,

0 comentários: