quarta-feira, 29 de agosto de 2007

Museu da Cachaça pega fogo


Um galpão com 12 tonéis, contendo aproximadamente 200 mil litros de aguardente de cana, pegou fogo, por volta das 11h40 de ontem, no Museu da Cachaça, em Maranguape, na Região Metropolitana de Fortaleza. Conforme os bombeiros, não houve nenhuma vítima no incêndio.

Momentos após o início do fogo, a brigada de incêndio do Museu entrou em ação, tentando debelar as chamas. Os bombeiros foram acionados pelos funcionários e ao chegar ao local detectaram que as chamas estavam fora de controle. Uma equipe com seis viaturas e 30 homens, de Maracanaú e Fortaleza, atuaram de forma rápida para impedir que o fogo se alastrasse para outras dependências do Museu.

Segundo o major Marinho, a ação principal durou cerca de 45 minutos, até que as chamas fosse totalmente controladas. “Tivemos que perfurar um tonel que estava com risco de pegar fogo novamente. Devido a cachaça ser altamente inflamável, essa medida preventiva teve que ser tomada para evitar que o fogo voltasse”, afirmou.

Quanto as causas do incêndio, o major Marinho acredita que provavelmente tenha sido um curto-circuito no galpão. “Embaixo dos tonéis existiam refletores. É provável que um deles tenha entrado em curto e gerado o incêndio.” As causas serão divulgada pela perícia em alguns dias.

Brigada

Uma das primeiras pessoas a chegar ao local, foi a supervisora de atendimento do Museu, Paula Senna. Segundo ela, assim que deram o alarme de incêndio, 15 membros da brigada da incêndio, formada há quatro meses, entraram em ação. “Tentamos amenizar o fogo, de forma que outras partes não fossem atingidas. Graças a Deus o acervo do museu não foi danificado. Somente alguns tonéis e um bar temático dos anos 30”, ressaltou.

De acordo com o diretor de planejamento do Museu, Paulo Telles, os prejuízos ainda não foram contabilizados, mas segundo ele, 85% das instalações foram preservadas graças a ação rápida da brigada de incêndio, da Guarda Municipal de Maranguape e das unidades do Corpo de Bombeiros de Maracanaú e Fortaleza.

Reconstrução

O prédio atingido, construído em1846, teve danos estruturais em suas paredes, algumas correm risco de cair. Por isso, de acordo com a direção do museu, o prédio será fechado e reabrirá somente no dia 6 de setembro. Segundo Telles, a partir de amanhã será iniciado o processo de demolição e reconstrução da área atingida pelo fogo.

De acordo com Telles, na reabertura do museu, a parte atingida ficará isolada, mas em três meses tudo estará funcionando normalmente. Ele salientou ainda que “o mais importante é que não houve vítimas e as instalações principais do museu foram preservadas”, destacou.
dn

Nenhum comentário:

quarta-feira, 29 de agosto de 2007 às 7:22:00 AM |  

Um galpão com 12 tonéis, contendo aproximadamente 200 mil litros de aguardente de cana, pegou fogo, por volta das 11h40 de ontem, no Museu da Cachaça, em Maranguape, na Região Metropolitana de Fortaleza. Conforme os bombeiros, não houve nenhuma vítima no incêndio.

Momentos após o início do fogo, a brigada de incêndio do Museu entrou em ação, tentando debelar as chamas. Os bombeiros foram acionados pelos funcionários e ao chegar ao local detectaram que as chamas estavam fora de controle. Uma equipe com seis viaturas e 30 homens, de Maracanaú e Fortaleza, atuaram de forma rápida para impedir que o fogo se alastrasse para outras dependências do Museu.

Segundo o major Marinho, a ação principal durou cerca de 45 minutos, até que as chamas fosse totalmente controladas. “Tivemos que perfurar um tonel que estava com risco de pegar fogo novamente. Devido a cachaça ser altamente inflamável, essa medida preventiva teve que ser tomada para evitar que o fogo voltasse”, afirmou.

Quanto as causas do incêndio, o major Marinho acredita que provavelmente tenha sido um curto-circuito no galpão. “Embaixo dos tonéis existiam refletores. É provável que um deles tenha entrado em curto e gerado o incêndio.” As causas serão divulgada pela perícia em alguns dias.

Brigada

Uma das primeiras pessoas a chegar ao local, foi a supervisora de atendimento do Museu, Paula Senna. Segundo ela, assim que deram o alarme de incêndio, 15 membros da brigada da incêndio, formada há quatro meses, entraram em ação. “Tentamos amenizar o fogo, de forma que outras partes não fossem atingidas. Graças a Deus o acervo do museu não foi danificado. Somente alguns tonéis e um bar temático dos anos 30”, ressaltou.

De acordo com o diretor de planejamento do Museu, Paulo Telles, os prejuízos ainda não foram contabilizados, mas segundo ele, 85% das instalações foram preservadas graças a ação rápida da brigada de incêndio, da Guarda Municipal de Maranguape e das unidades do Corpo de Bombeiros de Maracanaú e Fortaleza.

Reconstrução

O prédio atingido, construído em1846, teve danos estruturais em suas paredes, algumas correm risco de cair. Por isso, de acordo com a direção do museu, o prédio será fechado e reabrirá somente no dia 6 de setembro. Segundo Telles, a partir de amanhã será iniciado o processo de demolição e reconstrução da área atingida pelo fogo.

De acordo com Telles, na reabertura do museu, a parte atingida ficará isolada, mas em três meses tudo estará funcionando normalmente. Ele salientou ainda que “o mais importante é que não houve vítimas e as instalações principais do museu foram preservadas”, destacou.
dn
Postado por Fred Guilhon Marcadores: ,

0 comentários: