sábado, 17 de março de 2007

Ausência total de ruído é destaque do scooter elétrico S500


Você sobe no scooter e gira a chave. Uma luz se acende no painel.

Até aí, nada de novo. “É partida elétrica ou no pedal?”, penso, instintivamente.


Nem uma coisa, nem outra. Basta agora girar a empunhadura direita para trás, como em qualquer motocicleta.


Não se ouve barulho algum. A moto parte sem nenhum tipo de poluição, seja sonora, seja ambiental. Muito bom!


Dos três modelos que serão vendidos no país, S500, V500 e S800, só pudemos avaliar o primeiro, cujo número se refere aos 500 watts de potência (menos de 1 cv, mais exatamente 0,67 cv).


É muito fácil de manobrar, tem um porta-objetos no “painel” e um design moderno, com exceção do modelo V500 (“V” de “vintage”), cujo visual remete aos anos 50.



Seu motor está localizado no cubo da roda traseira e dispensa o uso se óleo lubrificante. Para abastecê-lo (ou melhor, carregá-lo), basta ligar na tomada – tanto 110 volts quanto 220 volts. Em seis horas se obtém carga total.


É ideal para pequenos deslocamentos urbanos ou mesmo para uso condomínios. Seu desempenho não chega a se equiparar ao de uma motocicleta como a Honda Pop 100, de 100 cm³ de cilindrada, mas pode ser bastante útil para quem usa moto para pequenos passeios.


Seu desempenho se assemelha ao de um scooter de 50 cm³ de cilindrada. Não há necessidade de se preocupar com a troca de marchas.


No lugar da embreagem, está o freio traseiro – o dianteiro fica ao alcance dos dedos da mão direita. Seu manuseio é bastante simples e se alcança uma velocidade máxima de 50 km/h.


A autonomia é pequena, apenas 40 quilômetros. Mas nada que não se resolva na tomada mais próxima. Fica a dúvida em relação à capacidade de superar aclives, algo que não foi possível avaliar, mas, segundo a importadora (a moto é importada da China e tem sua montagem concluída em São Bernardo do Campo), é de 15%.



No lugar do marcador de combustível, há um mostrador igualzinho, mas que informa o piloto sobre o nível da carga da bateria.


Os preços dos modelos são: R$ 3.600,00 para o S500, R$ 3.900,00 para o V500 e R$ 4.500,00 para o S800.


A garantia é de seis meses, sem limite de quilometragem.

Um comentário:

Alexandre disse...

Olá! Adorei a scooter S500 só gostaria de saber onde se compra uma dessas. Valeu!


Você sobe no scooter e gira a chave. Uma luz se acende no painel.

Até aí, nada de novo. “É partida elétrica ou no pedal?”, penso, instintivamente.


Nem uma coisa, nem outra. Basta agora girar a empunhadura direita para trás, como em qualquer motocicleta.


Não se ouve barulho algum. A moto parte sem nenhum tipo de poluição, seja sonora, seja ambiental. Muito bom!


Dos três modelos que serão vendidos no país, S500, V500 e S800, só pudemos avaliar o primeiro, cujo número se refere aos 500 watts de potência (menos de 1 cv, mais exatamente 0,67 cv).


É muito fácil de manobrar, tem um porta-objetos no “painel” e um design moderno, com exceção do modelo V500 (“V” de “vintage”), cujo visual remete aos anos 50.



Seu motor está localizado no cubo da roda traseira e dispensa o uso se óleo lubrificante. Para abastecê-lo (ou melhor, carregá-lo), basta ligar na tomada – tanto 110 volts quanto 220 volts. Em seis horas se obtém carga total.


É ideal para pequenos deslocamentos urbanos ou mesmo para uso condomínios. Seu desempenho não chega a se equiparar ao de uma motocicleta como a Honda Pop 100, de 100 cm³ de cilindrada, mas pode ser bastante útil para quem usa moto para pequenos passeios.


Seu desempenho se assemelha ao de um scooter de 50 cm³ de cilindrada. Não há necessidade de se preocupar com a troca de marchas.


No lugar da embreagem, está o freio traseiro – o dianteiro fica ao alcance dos dedos da mão direita. Seu manuseio é bastante simples e se alcança uma velocidade máxima de 50 km/h.


A autonomia é pequena, apenas 40 quilômetros. Mas nada que não se resolva na tomada mais próxima. Fica a dúvida em relação à capacidade de superar aclives, algo que não foi possível avaliar, mas, segundo a importadora (a moto é importada da China e tem sua montagem concluída em São Bernardo do Campo), é de 15%.



No lugar do marcador de combustível, há um mostrador igualzinho, mas que informa o piloto sobre o nível da carga da bateria.


Os preços dos modelos são: R$ 3.600,00 para o S500, R$ 3.900,00 para o V500 e R$ 4.500,00 para o S800.


A garantia é de seis meses, sem limite de quilometragem.
Postado por Fred Guilhon Marcadores: ,

1 comentários:

Alexandre disse...

Olá! Adorei a scooter S500 só gostaria de saber onde se compra uma dessas. Valeu!

6 de junho de 2008 10:35