quinta-feira, 8 de novembro de 2007

CRIME NA INTERNET. Bandidos criam comunidades




Clique nas imagens para ampliar
´Sorrizinho 157, se reagir é latro, tá ligado?´ Latro, na linguagem dos marginais, quer dizer latrocínio (matar para roubar). Parece brincadeira, mas este é o codinome de uma das milhares de pessoas que fazem parte do site de relacionamentos orkut. ´Sorrizinho´ é cearense, mora no bairro Serviluz. No próprio codinome, ele já diz quem é, o que pratica. Apesar disso, faz questão de se caracterizar no tópico ´Quem sou eu´. ´Hoje sou ladrão, artigo 157´, revela. O artigo 157 caracteriza o crime de assalto à mão-armada no Código Penal Brasileiro.

Em seu álbum de fotos no site, é que o ´orgulho´ da vida sem regras fica mais evidente: armas, cocaína, dinheiro, roupas de grifes, gangues, tudo sendo exibido com a naturalidade de quem não tem medo ou vergonha do que faz.

Fotos

A vida de ´Sorrizinho´ é apresentada, sem censura, em sua página do orkut. As legendas das fotos de seu álbum enaltecem o crime. ´Esse é só pra fazer assalto, tá inteirado, ladrão?´, diz uma das legendas, que se refere a um revólver. Em outra, de uma arma similar, está escrito: ´esse é o meu parceiro do crime´.

Ainda no álbum do ´157´, há imagens dele com outros rapazes. ´Esses são os camaradas do Pirambu´, diz a legenda. Em outra foto, dele mesmo, ´Sorrizinho´ escreveu: ´Sorrizinho 157, eu não paro, eu disparo´. Entre os 658 amigos de ´Sorrizinho´ estão alguns parceiros, além de garotas bastante jovens que também o admiram.

Algumas meninas da favela oferecem msn para conversas on line, números de telefone. A idéia de glamour e coragem que o bandido tenta passar através do seu perfil, parece estar atraindo admiradoras.

Comunidades

Uma das comunidades mais absurdas em que ´Sorrizinho´ figura como integrante é ´Eu sou 157´. Nesta, outros jovens - meninos e meninas - aparecem também como integrantes, aqui em Fortaleza. Um deles, ´M.M.´, que tem 394 amigos virtuais em sua página, expõe fotos de revólver, munição, jóias, celular. No álbum deste rapaz, há diversas imagens dele segurando cédulas de 10, 20 e 50 reais.

Entre as comunidades deste jovem estão ´Todo mundo fuma maconha´, ´Pra que estudar se vai morrer´, ´Eu amo armas de fogo´, ´Sou frio e implacável´, ´Eu moro no Serviluz´, ´Eu sou 157 na veia´, ´Eu tenho uma arma de fogo´ e ´Nada que um 38 não resolva´.

Apesar de se valer do crime e das armas como escudo, o rapaz acredita na proteção divina. ´Tenho fé em Deus, ando com sorte e não temo a morte´, diz a legenda da última foto de seu álbum.

FACILIDADE

Muitas pistas para a Polícia

Não há dificuldade para a Polícia em identificar os ´assaltantes confessos´. Eles estão em fotos nos álbuns de seus parceiros. ´Rek 157, esperto e ligeiro´, da favela do Oitão Preto (Centro da Capital), é um exemplo disto. Uma das fotografias de seu álbum, em que mostra um grupo de cinco rapazes (entre eles, o próprio ´Rek´), tem a seguinte legenda: ´Só ladrão dos bons, especialistas em invadir mansão´.

Mas a Polícia não está alheia ao que está acontecendo. Procurado pelo Diário do Nordeste, o delegado Francisco Alves de Paula, diretor do Departamento de Inteligência Policial (DIP), disse que muitos trabalhos de investigação já foram iniciados pelo DIP através de situações semelhantes encontradas no orkut. ´Há algum tempo estávamos investigando uma quadrilha e encontramos um de seus integrantes com um perfil no site, e nas fotos dele, havia uma imagem dele mesmo segurando uma arma´, conta.

Ainda de acordo com o delegado, casos de porte ilegal de arma, formação de quadrilha e apologia ao crime podem ser gerados através de imagens exibidas no orkut. ´Sempre que recebemos denúncias, como esta que está sendo feita pelo Diário, nos empenhamos em investigar. Temos mantido sempre a vigilância´.

Alves explica que o único problema encontrado pela Polícia é o acesso limitado à internet. ´Trabalhamos com uma rede e por isso alguns acessos não são permitidos. São liberados só em situações especiais. Não podemos ficar acessando sites aleatoriamente. E muitas vezes precisamos investigar sites de pedofilia, tráfico de drogas e armas pela internet e situações como estas, do orkut. Até casos de seqüestros virtuais já foram esclarecidos com investigações on line´, ressalta.

OUSADIA

Gangues rivais trocam ameaças pelo site

Entre os membros das comunidades ´157´, há muitos outros jovens de Fortaleza, como o ´Maluco anjo-mal´, do bairro Aerolândia. Como ele, o ´Pivete da pracinha 100% maldade´ fazem questão de deixar claro, no nome do perfil, de que lado da sociedade estão. Em sua página, ´Pivete´ escreve o trecho de uma música de rap. ´Sempre fui sonhador, e é isso que me mantém vivo. Quando pivete, meu sonho era ser jogador de futebol, vai vendo. Mas o sistema limita a nossa vida de tal forma que tive que fazer minha escolha: sonhar ou sobreviver. Os anos se passaram, e eu fui me esquivando do círculo vicioso. Porém o capitalismo me obrigou a ser bem sucedido. Acredito que o sonho de todo pobre é ser rico´.

Ainda em seu perfil, ele revela outra parte da música, com que se identifica. ´Em busca do meu sonho de consumo procurei dar uma solução rápida e fácil pros meus problemas: o crime. Mas é um dinheiro amaldiçoado, quanto mais eu ganhava mais eu gastava. Logo fui cobrado pela lei da natureza... quatorze anos de reclusão. O barato é loko (sic)´.

Pivete tem apenas 3 comunidades. Uma delas é ´Nada que um 38 não resolva´. Armas de todas as espécies, munição e balaclava estão entre as fotos do seu álbum. Mas a página de ´Pivete´ revela outra coisa mais grave, a troca de ameaças de morte pelo orkut.

Em seu álbum, o jovem tem a foto de um inimigo morto, no caixão. A legenda diz que aquele homem da foto deve ´esperar por seu irmão, que já já irá estar com ele´. ´Pivete´ estampa fotos de diversos rivais, sempre com ameaças expressas nas legendas. ´Os ´laranjas´ da favela vão tudo para o inferno, que é o lugar deles´, diz uma das legendas. Em outra, mostra a foto de um rapaz e diz: ´Olha só o ´laranjão´ que vai morrer pra deixar de ser otário´.

ANÁLISE

Rede de comunicação para todos

NATHÁLIA LOBO
policia2@diariodonordeste.com.br

Durante as pesquisas que realizei no orkut para a produção desta reportagem, encontrei situações que revelam que a característica ´anárquica´ do site de relacionamento o transformou em uma coisa perigosa.

Existe o bom uso, é claro. Milhões de brasileiros usam o site de relacionamentos para manter contatos com pessoas que não vêem há muito tempo, gente do tempo de infância, trocar informações e dicas sobre os mais diversos e interessantes assuntos.

Entretanto, as redes de prostituição, tráfico de drogas, contrabando e quadrilhas de bandidos também têm usado o orkut como rede de comunicação. Da mesma forma que uma escuta telefônica autorizada pela Justiça serve como base de investigação, os dados de quem fez o quê dentro do orkut são importantes e podem levar a Polícia a boas pistas de bandidos.

A facilidade na obtenção de dados sobre a vida e o dia-a-dia de uma pessoa também colabora para que isso aconteça. Muita gente expõe, detalhadamente, sua vida no site, suas características, fotos de sua família, coisas que gosta de fazer, locais que costuma freqüentar. Prato cheio para seqüestradores, por exemplo.

Talvez o que esteja faltando seja mais atenção por parte das autoridades policiais, do Ministério Público, que, por acaso, também integram a lista dos usuários do site de relacionamentos.

AMOR BANDIDO

Garotas demonstram fascínio

Algumas meninas se apaixonam por criminosos, atraídas pelo ´glamour´ da vida de rapazes que desafiam as regras e as leis. Não é à toa que, nos dias de visitas, as mulheres se aglomeram na porta dos presídios do Estado. Aliás, parece estar virando moda esse tipo de paixão, que leva adolescentes e mulheres a se envolverem com homens que vivem da prática de crimes violentos - muito deles contra as próprias mulheres - mas a quem elas chamam de ´meu amor´.

A demonstração explícita do fascínio causado pelos bandidos às adolescentes, está na comunidade ´Eu sou 157´. Nela, há uma garota, cuja idade deve estar entre 14 e 16 anos. Ela se intitula ´Piveta apaixonada´. Na primeira foto de seu álbum, há um rapaz armado com uma pistola. ´Esse menino é quase um irmão para mim, te amo!´, diz a legenda da foto.

Algumas adolescentes expõem fotos de armas de fogo em seus álbuns, a exemplo do que fazem os bandidos.

Rainhas

Há outra jovem, que se apresenta como ´C. gatinha´, que mostra no álbum fotos de crianças, armas, e até de um adesivo da Polícia, com o nome de ´Operações Especiais´, com um alvo no meio.

Muitas das meninas são namoradas dos membros de gangues de bairros de Fortaleza e se sentem ´rainhas´ por isso. E mostram encanto, vaidade. Há um bandido que se intitula ´Soldado da favela´, cuja namorada também está no Orkut. E se orgulha de ser a ´primeira-dama´. Em todas as fotos que mostram o namorado, no álbum, a garota ressalta ´esse é meu!´. Nos recados, vários são do namorado, com muitas declarações de amor eterno.

Para as que admitem a preferência pelo ´amor bandido´ existem até comunidades como ´Sou mulher de bandido, e daí?´. Na comunidade ´Hoje sou ladrão, artigo 157´, também há algumas jovens de Fortaleza. ´V. Quem conhece nunca esquece´, namora um rapaz que está preso. Mas se declara em todos os trechos de sua página. ´Essa é a verdadeira razão da minha vida. Você me deu a verdadeira lição de vida. Estou disposta a tudo só para permanecer do seu lado... do jeito que estamos!´, escreveu a garota, abaixo da foto do namorado. Também não é raro encontrar garotas da Capital em comunidades como ´Eu fumo maconha sim, e daí?´. Algumas bem jovens, ainda no início da adolescência. Uma delas, com o apelido de ´Danada´, exibe em seu álbum uma porção de cocaína com a seguinte legenda: ´Aí parceiro, pra nós, será que dá pra agüentar isso tudo?´.

Normalmente as garotas também integram alguma torcida organizada local. Tem imagens dos símbolos de seus times e comunidades exaltando as torcidas. É quando se percebe que existe uma linha tênue que separa as torcidas organizadas de gangues, drogas e às vezes, outros crimes. Em alguns casos, não separa.

Envolvimento

O que se percebe é que além de serem admiradoras dos rapazes que se envolvem com delitos, muitas meninas passaram a buscar coragem para também ingressarem no crime. O interesse por drogas e armas de fogo é cada vez mais evidente.
DIÁRIO DO NORDESTE

Nenhum comentário:

quinta-feira, 8 de novembro de 2007 às 6:50:00 PM |  



Clique nas imagens para ampliar
´Sorrizinho 157, se reagir é latro, tá ligado?´ Latro, na linguagem dos marginais, quer dizer latrocínio (matar para roubar). Parece brincadeira, mas este é o codinome de uma das milhares de pessoas que fazem parte do site de relacionamentos orkut. ´Sorrizinho´ é cearense, mora no bairro Serviluz. No próprio codinome, ele já diz quem é, o que pratica. Apesar disso, faz questão de se caracterizar no tópico ´Quem sou eu´. ´Hoje sou ladrão, artigo 157´, revela. O artigo 157 caracteriza o crime de assalto à mão-armada no Código Penal Brasileiro.

Em seu álbum de fotos no site, é que o ´orgulho´ da vida sem regras fica mais evidente: armas, cocaína, dinheiro, roupas de grifes, gangues, tudo sendo exibido com a naturalidade de quem não tem medo ou vergonha do que faz.

Fotos

A vida de ´Sorrizinho´ é apresentada, sem censura, em sua página do orkut. As legendas das fotos de seu álbum enaltecem o crime. ´Esse é só pra fazer assalto, tá inteirado, ladrão?´, diz uma das legendas, que se refere a um revólver. Em outra, de uma arma similar, está escrito: ´esse é o meu parceiro do crime´.

Ainda no álbum do ´157´, há imagens dele com outros rapazes. ´Esses são os camaradas do Pirambu´, diz a legenda. Em outra foto, dele mesmo, ´Sorrizinho´ escreveu: ´Sorrizinho 157, eu não paro, eu disparo´. Entre os 658 amigos de ´Sorrizinho´ estão alguns parceiros, além de garotas bastante jovens que também o admiram.

Algumas meninas da favela oferecem msn para conversas on line, números de telefone. A idéia de glamour e coragem que o bandido tenta passar através do seu perfil, parece estar atraindo admiradoras.

Comunidades

Uma das comunidades mais absurdas em que ´Sorrizinho´ figura como integrante é ´Eu sou 157´. Nesta, outros jovens - meninos e meninas - aparecem também como integrantes, aqui em Fortaleza. Um deles, ´M.M.´, que tem 394 amigos virtuais em sua página, expõe fotos de revólver, munição, jóias, celular. No álbum deste rapaz, há diversas imagens dele segurando cédulas de 10, 20 e 50 reais.

Entre as comunidades deste jovem estão ´Todo mundo fuma maconha´, ´Pra que estudar se vai morrer´, ´Eu amo armas de fogo´, ´Sou frio e implacável´, ´Eu moro no Serviluz´, ´Eu sou 157 na veia´, ´Eu tenho uma arma de fogo´ e ´Nada que um 38 não resolva´.

Apesar de se valer do crime e das armas como escudo, o rapaz acredita na proteção divina. ´Tenho fé em Deus, ando com sorte e não temo a morte´, diz a legenda da última foto de seu álbum.

FACILIDADE

Muitas pistas para a Polícia

Não há dificuldade para a Polícia em identificar os ´assaltantes confessos´. Eles estão em fotos nos álbuns de seus parceiros. ´Rek 157, esperto e ligeiro´, da favela do Oitão Preto (Centro da Capital), é um exemplo disto. Uma das fotografias de seu álbum, em que mostra um grupo de cinco rapazes (entre eles, o próprio ´Rek´), tem a seguinte legenda: ´Só ladrão dos bons, especialistas em invadir mansão´.

Mas a Polícia não está alheia ao que está acontecendo. Procurado pelo Diário do Nordeste, o delegado Francisco Alves de Paula, diretor do Departamento de Inteligência Policial (DIP), disse que muitos trabalhos de investigação já foram iniciados pelo DIP através de situações semelhantes encontradas no orkut. ´Há algum tempo estávamos investigando uma quadrilha e encontramos um de seus integrantes com um perfil no site, e nas fotos dele, havia uma imagem dele mesmo segurando uma arma´, conta.

Ainda de acordo com o delegado, casos de porte ilegal de arma, formação de quadrilha e apologia ao crime podem ser gerados através de imagens exibidas no orkut. ´Sempre que recebemos denúncias, como esta que está sendo feita pelo Diário, nos empenhamos em investigar. Temos mantido sempre a vigilância´.

Alves explica que o único problema encontrado pela Polícia é o acesso limitado à internet. ´Trabalhamos com uma rede e por isso alguns acessos não são permitidos. São liberados só em situações especiais. Não podemos ficar acessando sites aleatoriamente. E muitas vezes precisamos investigar sites de pedofilia, tráfico de drogas e armas pela internet e situações como estas, do orkut. Até casos de seqüestros virtuais já foram esclarecidos com investigações on line´, ressalta.

OUSADIA

Gangues rivais trocam ameaças pelo site

Entre os membros das comunidades ´157´, há muitos outros jovens de Fortaleza, como o ´Maluco anjo-mal´, do bairro Aerolândia. Como ele, o ´Pivete da pracinha 100% maldade´ fazem questão de deixar claro, no nome do perfil, de que lado da sociedade estão. Em sua página, ´Pivete´ escreve o trecho de uma música de rap. ´Sempre fui sonhador, e é isso que me mantém vivo. Quando pivete, meu sonho era ser jogador de futebol, vai vendo. Mas o sistema limita a nossa vida de tal forma que tive que fazer minha escolha: sonhar ou sobreviver. Os anos se passaram, e eu fui me esquivando do círculo vicioso. Porém o capitalismo me obrigou a ser bem sucedido. Acredito que o sonho de todo pobre é ser rico´.

Ainda em seu perfil, ele revela outra parte da música, com que se identifica. ´Em busca do meu sonho de consumo procurei dar uma solução rápida e fácil pros meus problemas: o crime. Mas é um dinheiro amaldiçoado, quanto mais eu ganhava mais eu gastava. Logo fui cobrado pela lei da natureza... quatorze anos de reclusão. O barato é loko (sic)´.

Pivete tem apenas 3 comunidades. Uma delas é ´Nada que um 38 não resolva´. Armas de todas as espécies, munição e balaclava estão entre as fotos do seu álbum. Mas a página de ´Pivete´ revela outra coisa mais grave, a troca de ameaças de morte pelo orkut.

Em seu álbum, o jovem tem a foto de um inimigo morto, no caixão. A legenda diz que aquele homem da foto deve ´esperar por seu irmão, que já já irá estar com ele´. ´Pivete´ estampa fotos de diversos rivais, sempre com ameaças expressas nas legendas. ´Os ´laranjas´ da favela vão tudo para o inferno, que é o lugar deles´, diz uma das legendas. Em outra, mostra a foto de um rapaz e diz: ´Olha só o ´laranjão´ que vai morrer pra deixar de ser otário´.

ANÁLISE

Rede de comunicação para todos

NATHÁLIA LOBO
policia2@diariodonordeste.com.br

Durante as pesquisas que realizei no orkut para a produção desta reportagem, encontrei situações que revelam que a característica ´anárquica´ do site de relacionamento o transformou em uma coisa perigosa.

Existe o bom uso, é claro. Milhões de brasileiros usam o site de relacionamentos para manter contatos com pessoas que não vêem há muito tempo, gente do tempo de infância, trocar informações e dicas sobre os mais diversos e interessantes assuntos.

Entretanto, as redes de prostituição, tráfico de drogas, contrabando e quadrilhas de bandidos também têm usado o orkut como rede de comunicação. Da mesma forma que uma escuta telefônica autorizada pela Justiça serve como base de investigação, os dados de quem fez o quê dentro do orkut são importantes e podem levar a Polícia a boas pistas de bandidos.

A facilidade na obtenção de dados sobre a vida e o dia-a-dia de uma pessoa também colabora para que isso aconteça. Muita gente expõe, detalhadamente, sua vida no site, suas características, fotos de sua família, coisas que gosta de fazer, locais que costuma freqüentar. Prato cheio para seqüestradores, por exemplo.

Talvez o que esteja faltando seja mais atenção por parte das autoridades policiais, do Ministério Público, que, por acaso, também integram a lista dos usuários do site de relacionamentos.

AMOR BANDIDO

Garotas demonstram fascínio

Algumas meninas se apaixonam por criminosos, atraídas pelo ´glamour´ da vida de rapazes que desafiam as regras e as leis. Não é à toa que, nos dias de visitas, as mulheres se aglomeram na porta dos presídios do Estado. Aliás, parece estar virando moda esse tipo de paixão, que leva adolescentes e mulheres a se envolverem com homens que vivem da prática de crimes violentos - muito deles contra as próprias mulheres - mas a quem elas chamam de ´meu amor´.

A demonstração explícita do fascínio causado pelos bandidos às adolescentes, está na comunidade ´Eu sou 157´. Nela, há uma garota, cuja idade deve estar entre 14 e 16 anos. Ela se intitula ´Piveta apaixonada´. Na primeira foto de seu álbum, há um rapaz armado com uma pistola. ´Esse menino é quase um irmão para mim, te amo!´, diz a legenda da foto.

Algumas adolescentes expõem fotos de armas de fogo em seus álbuns, a exemplo do que fazem os bandidos.

Rainhas

Há outra jovem, que se apresenta como ´C. gatinha´, que mostra no álbum fotos de crianças, armas, e até de um adesivo da Polícia, com o nome de ´Operações Especiais´, com um alvo no meio.

Muitas das meninas são namoradas dos membros de gangues de bairros de Fortaleza e se sentem ´rainhas´ por isso. E mostram encanto, vaidade. Há um bandido que se intitula ´Soldado da favela´, cuja namorada também está no Orkut. E se orgulha de ser a ´primeira-dama´. Em todas as fotos que mostram o namorado, no álbum, a garota ressalta ´esse é meu!´. Nos recados, vários são do namorado, com muitas declarações de amor eterno.

Para as que admitem a preferência pelo ´amor bandido´ existem até comunidades como ´Sou mulher de bandido, e daí?´. Na comunidade ´Hoje sou ladrão, artigo 157´, também há algumas jovens de Fortaleza. ´V. Quem conhece nunca esquece´, namora um rapaz que está preso. Mas se declara em todos os trechos de sua página. ´Essa é a verdadeira razão da minha vida. Você me deu a verdadeira lição de vida. Estou disposta a tudo só para permanecer do seu lado... do jeito que estamos!´, escreveu a garota, abaixo da foto do namorado. Também não é raro encontrar garotas da Capital em comunidades como ´Eu fumo maconha sim, e daí?´. Algumas bem jovens, ainda no início da adolescência. Uma delas, com o apelido de ´Danada´, exibe em seu álbum uma porção de cocaína com a seguinte legenda: ´Aí parceiro, pra nós, será que dá pra agüentar isso tudo?´.

Normalmente as garotas também integram alguma torcida organizada local. Tem imagens dos símbolos de seus times e comunidades exaltando as torcidas. É quando se percebe que existe uma linha tênue que separa as torcidas organizadas de gangues, drogas e às vezes, outros crimes. Em alguns casos, não separa.

Envolvimento

O que se percebe é que além de serem admiradoras dos rapazes que se envolvem com delitos, muitas meninas passaram a buscar coragem para também ingressarem no crime. O interesse por drogas e armas de fogo é cada vez mais evidente.
DIÁRIO DO NORDESTE
Postado por Fred Guilhon Marcadores: ,

0 comentários: