quarta-feira, 7 de novembro de 2007

Lei inglesa permite que grávida urine no capacete de um policial


É proibido usar armadura durante as sessões do Parlamento. Mais sério ainda é morrer lá dentro, sob pena de ser preso. Já uma mulher grávida pode urinar no capacete de um policial. Essas e outras sandices fazem parte do ranking com as leis britânicas mais absurdas, divulgado nesta terça-feira (6) pela emissora UKTV Gold.

Em primeiro lugar, para os 4.000 entrevistados pela rede, aparece a proibição de dar o último suspiro no Parlamento, com 27%. Colar um selo com a efígie de um monarca de cabeça para baixo, o que é considerado um "ato de traição", aparece bem atrás, com 7%, seguido de uma estranha determinação que permite que as mulheres trabalhem com os seios de fora, desde que sejam funcionárias de uma loja de peixes tropicais, em Liverpool (noroeste da Inglaterra).

Ainda no reino dos absurdos, também foi bem cotada a obrigação imposta aos escoceses de abrir a porta de sua casa para quem estiver apertado para ir ao banheiro, assim como a permissão de matar um escocês na circunscrição da antiga cidade de York (norte da Inglaterra). Desde e somente se usar arco e flecha, que fique claro.

Menos citada, talvez, por sequer ter sido compreendida pela maioria dos entrevistados, aparece uma lei que declara "ilegal não dizer ao preceptor o que não se quer que ele saiba, mas sendo legal dizer o que não se incomoda que ele saiba".

Nenhum comentário:


É proibido usar armadura durante as sessões do Parlamento. Mais sério ainda é morrer lá dentro, sob pena de ser preso. Já uma mulher grávida pode urinar no capacete de um policial. Essas e outras sandices fazem parte do ranking com as leis britânicas mais absurdas, divulgado nesta terça-feira (6) pela emissora UKTV Gold.

Em primeiro lugar, para os 4.000 entrevistados pela rede, aparece a proibição de dar o último suspiro no Parlamento, com 27%. Colar um selo com a efígie de um monarca de cabeça para baixo, o que é considerado um "ato de traição", aparece bem atrás, com 7%, seguido de uma estranha determinação que permite que as mulheres trabalhem com os seios de fora, desde que sejam funcionárias de uma loja de peixes tropicais, em Liverpool (noroeste da Inglaterra).

Ainda no reino dos absurdos, também foi bem cotada a obrigação imposta aos escoceses de abrir a porta de sua casa para quem estiver apertado para ir ao banheiro, assim como a permissão de matar um escocês na circunscrição da antiga cidade de York (norte da Inglaterra). Desde e somente se usar arco e flecha, que fique claro.

Menos citada, talvez, por sequer ter sido compreendida pela maioria dos entrevistados, aparece uma lei que declara "ilegal não dizer ao preceptor o que não se quer que ele saiba, mas sendo legal dizer o que não se incomoda que ele saiba".
Postado por Fred Guilhon Marcadores: ,

0 comentários: